Acariciar é uma das mais primitivas e bonitas formas de demonstrar o nosso amor. O recém nascido,ainda muito próximo da posição fetal, ao ser retirado do útero, ou mesmo do seu berço, sente-se desprotegido. Não muito acostumado a este novo mundo que ele acabou de chegar,muitas vezes fica tenso. O colo da mãe, um seio gostoso com leite quentinho, feito para ele é uma boa pedida.Não só a mãe, mas o pai e os avós podem ajudar também com palavras doces e cantigas de ninar. A psicologia comprova que esses momentos ficam marcados para sempre em nossas vidas. Que eles sejam bem gostosos! O recém-nascido ainda não tem condições de receber a Shantala, massagem indiana indicada para para bebês a partir de um mês de nascido, mas existe uma técnica que desenvolvi, apropriada para esta fase. Consiste numa seqüência de toques e movimentos que denominei Baby Touch – toque no bebê. São toques suaves feitos com a ponta do indicador e com a palma da mão. Esses toques ajudam a relaxar profundamente o neném. Eles podem ser feitos a partir do primeiro dia de nascido.

Massagear seu bebê pode prevenir futuras neuroses, melhora a saúde, além de aproximar você do ser que você ama. A partir do primeiro mês de vida, o neném mais integrado na sua vidinha, mais gordinho, mais fácil da mamãe manuseá-lo de um lado para o outro, com a cabecinha um pouco mais firme, já pode receber a Shantala. Está técnica oriental vem da Índia e foi trazida para o ocidente por um médico obstetra francês, Frederick Leboyer, que ao observar uma indiana massageando seu filho ao sol, documentou fotograficamente num de seus livros que recebe omesmo título, que vem a ser o nome da indiana fotografada.

A Shantala, baseada na massagem ayurvédica, utiliza três manobras básicas de massagem: o amassar, o deslizar e o tornear. O princípio é o da circulação energética, o carinho, o tato, o brincar. A Shantala ajuda a diminuir as cólicas intestinais, características deste período, devido a adaptação
do neném a sua nova alimentação, e da mamãe, que sendo mais cuidadosa com a sua própria alimentação pode diminuir as cólicas do bebê, pois tudo que ela come vai contribuir para a formação do seu leite. Esta massagem também ajuda a prevenir problemas respiratórios e excesso de agitação. Ela deve ser iniciada a partir do primeiro mês até uns dois anos de idade. Depois podemos substituí-la pelo Tuina Infantil (massagem chinesa para crianças), pois nesta idade geralmente a criança aceita com mais facilidade manobras mais complexas e que exigem mais tempo, o que é mais difícil de conseguir nos bebês, em compensação aumenta a variedade de doenças que podemos prevenir e tratar.

A Shantala pode ser praticada com o neném deitado sobre as pernas da mãe esticadas para frente ou sobre a banheirinha do bebê (essas que tem uma tampa reta para trocar a fralda) ou ainda num colchonete, no chão. O importante é que mãe e bebê sintam-se confortáveis. O ambiente deve ter uma temperatura agradável, não deve estar ventando e se for ao sol ,deve ser respeitado o horário adequado para o neném curtir sem se sentir incomodado pelo calor, muito menos pelos raios ultravioletas, tão perigosos atualmente ,com a camada de ozônio diminuída.

Educar é um ato de amor, de troca e pode ser divertido, criativo, além de ser um exercício, seja você pai, mãe, avó, avô, professor, terapeuta, recreador, artista.Poder ter uma troca corporal divertida é ótimo!Previne rugas, infartos, depressão e com certeza deixará os rebentos mais saudáveis e felizes. Falta de tempo não existe, quando queremos, dá-se sempre um jeitinho.

Yoga quer justamente dizer união, por isso foi incluído no currículo da minha Escolinha de Arte TicoTico (1981-1987), não só pelos benefícios que traz, mas porque achei que me aproximaria mais das crianças. O Yoga para crianças melhora a postura, alonga, proporciona tonicidade muscular, acalma a mente, relaxa, melhora a saúde e proporciona um equilíbrio global, física, emocional, mental e espiritualmente.

No trabalho com crianças, que têm um período de concentração menor, deve-se usar músicas infantis, as posturas devem durar pouco tempo e, após a prática deve-se fazer uma atividade artística complementar para expansão da sua criatividade.

Sheila Quinttaneiro

Artista Plástica, formada em Gravura pela Escola de Belas Artes – UFRJ (1981).
Fundadora e diretora e professora da Escolinha de Artes Tico-Tico em Santa Teresa - Rio de Janeiro (1981/1986).
Massoterapeuta (nas técnicas: Ayurvédica – Tuiná – Shiatsu – Reichiana).
Professora de Yoga (Hatha – Asthanga – Tantra) e Arte-educadora.
Trabalha há 25 anos com crianças de 0 a 8 anos.
Dá cursos de Técnicas Orientais na Saúde Infantil.
Atualmente dirige e leciona no Shiva Studio de Yoga e Massagem, no Rio de Janeiro.

Últimos posts por Sheila Quinttaneiro (exibir todos)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *